jusbrasil.com.br
23 de Outubro de 2017

A detração da pena: importância e jurisprudência

Evinis Talon, Advogado
Publicado por Evinis Talon
há 2 meses

Leia o artigo diretamente no meu site (clique aqui), veja meu curso online de Direito Penal, Processo Penal e Execução Penal (clique aqui) e se torne membro do International Center for Criminal Studies (clique aqui).

Um dos temas mais relevantes para a execução penal deveria ser a detração da pena. Infelizmente, esse assunto é negligenciado na prática forense. Aliás, até a Lei de Execução Penal é desidiosa no trato desse instituto. A menção à detração penal na LEP ocorre em poucos dispositivos, enquanto outros institutos, como a saída temporária (arts. 122 a 125) e a remição (arts. 126 a 130), são minuciosamente regulamentados.

Lembro-me de ter encontrado um apenado que estava cumprindo a pena em dobro. O motivo? Ninguém havia postulado ou deferido de ofício a detração, razão pela qual o seu tempo de prisão preventiva não foi considerado durante a execução da pena.

Acredito que quando um Advogado começa a atuar num processo de execução penal, duas coisas devem ser analisadas cuidadosamente, porque geram consequências significativas: a prescrição da pretensão executória e a detração da pena. Sobre a primeira, falarei em outro artigo.

Deveria ser desnecessário falar sobre a importância da detração penal. Ora, dependendo do caso, a detração pode resultar na “antecipação” de direitos (progressão de regime e livramento condicional, por exemplo) ou até mesmo no fim da pena, neste caso quando o tempo de prisão preventiva for igual ou superior ao tempo de pena fixado na sentença.

Nos termos do art. 66, III, c, da Lei de Execução Penal, compete ao Juiz da execução decidir sobre detração da pena.

O art. 42 do Código Penal dispõe: “computam-se, na pena privativa de liberdade e na medida de segurança, o tempo de prisão provisória, no Brasil ou no estrangeiro, o de prisão administrativa e o de internação em qualquer dos estabelecimentos referidos no artigo anterior”.

Em bom tempo, a Lei nº 12.736/2012 incluiu o art. 387, § 2º, do Código de Processo Penal, que diz: “O tempo de prisão provisória, de prisão administrativa ou de internação, no Brasil ou no estrangeiro, será computado para fins de determinação do regime inicial de pena privativa de liberdade”. De modo semelhante, o art. 111 da Lei de Execução Penal já determinava a observância da detração para a determinação do regime de cumprimento de pena.

O art. 387, § 2º, do CPP, refere-se à sentença condenatória, de modo que, com esse novo parágrafo, passou-se a antecipar para a sentença (e não mais na execução penal) a apreciação do tempo de encarceramento cautelar como fator de determinação do regime inicial. Para alguns doutrinadores, consiste em uma detração antecipada que gera uma progressão também antecipada.

De qualquer sorte, trata-se de uma antecipação parcial da detração penal, pois o dispositivo legal se restringe à consideração do tempo de segregação cautelar para a definição do regime inicial, não prevendo expressamente – mas também não proibindo – a possibilidade de considerar o tempo detraído para que o Juiz prolator da sentença condenatória defira, desde já, o livramento condicional, que, como é sabido, não se trata de regime de execução da pena.

Conforme reiteradas decisões do Supremo Tribunal Federal (STF), a detração penal não é considerada para fins de cálculo da prescrição regulada pela pena residual, prevista no art. 113 do Código Penal (RHC 84.177, HC 69.865).

Por outro lado, em 2010, o STF, no HC 100.001, ao tratar da prescrição da pretensão executória (art. 110 do Código Penal), decidiu que “a detração apenas é considerada para efeito da prescrição da pretensão executória, não se estendendo aos cálculos relativos à prescrição da pretensão punitiva”.

Em outras palavras, para o STF, a detração é considerada para o cálculo da prescrição da pretensão executória, mas não é considerada para o cálculo da prescrição da pretensão punitiva e para o cálculo referente ao art. 113 do Código Penal.

Outro entendimento predominante na jurisprudência é a impossibilidade de “conta corrente” no que concerne à detração penal. Nesse diapasão, o STJ, no HC 197.112, decidiu, em 2011, que é inviável a aplicação da detração penal em relação aos crimes cometidos posteriormente à custódia cautelar.

Em um artigo futuro, analisarei as correntes doutrinárias acerca da “conta corrente” como decorrência da detração penal.

3 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Gostaria que, num próximo artigo, comentasse a detração da medida cautelar. O TJRS tem uma decisão inovadora nesse sentido. continuar lendo

Interessante. continuar lendo

Professor em resumo a detração serve para que? Somente para pretensão executória? continuar lendo